O anonimato do preparador de texto: a hora e vez de ser reconhecido?

O anonimato do preparador de texto: a hora e vez de ser reconhecido?[1]

Sara-Jayne Donaldson

Como preparadora, muitas vezes gosto de permanecer anônima

Como preparadora, sinto que estou só lapidando as ideias do autor e trazendo à tona a sua história “de verdade”. Todos sabemos como é ter as palavras na ponta da língua, aquela sensação de que sabemos o que dizer, mas não conseguimos dizê-lo. Aí é que eu entro. Como preparadora, eu conheço as estruturas, as palavras e o formato. Sei como ajudar. Como essa é minha profissão, geralmente não vejo por que ser creditada num livro em que trabalhei.

Às vezes isso acontece porque tenho a sensação de que meu trabalho está cumprido, ajudei um querido autor ou editor, e prefiro o anonimato.

Às vezes é porque havia tão pouco a ser feito que não acho necessário ser creditada.

Às vezes, porque o livro não é da minha seara, no âmbito profissional, então não preciso do crédito (poderia atrapalhar meus objetivos profissionais).

Outras vezes, mais raramente, é porque o trabalho foi um pesadelo e não quero ser creditada por medo de que ele tenha um impacto negativo na minha carreira. Por exemplo, quando o orçamento ou prazo foram tão apertados que só pude fazer uma edição superficial, deixando para trás muitas coisas que achei que precisassem de intervenção. Ou quando o autor decidiu ignorar minhas sugestões. Ou quando ele até adicionou coisas no arquivo final, depois do meu trabalho estar feito (pois é, acontece). É muito fácil prum preparador ser ignorado e mesmo assim ter seu nome num produto que está muito aquém do padrão dele.

E ainda assim, na maioria das vezes, créditos não são necessários porque sou uma preparadora, esse é meu trabalho e, desde que eu tenha feito um bom serviço, estou satisfeita com aquilo que me cabe.

Mas começo a me perguntar se o anonimato dos preparadores não está virando um problema

Já vi isso acontecer na minha carreira de formação. Me graduei como bibliotecária e cientista da informação. Passei minha vida profissional como bibliotecária acadêmica explicando às pessoas que, não, meu trabalho não era só carimbar livros. Um bibliotecário é muito mais do que isso: nós estudamos; cuidamos de orçamentos; ordenamos, selecionamos e zelamos por coleções imensas; lidamos com o público, estudantes e acadêmicos; disseminamos informação; somos acadêmicos, conselheiros, psicólogos, psicanalistas, comerciantes, administradores, eternos estudantes, e guardadores do conhecimento do mundo. Não, nosso trabalho não é só carimbar livros.

E mesmo assim bibliotecários são uma espécie em extinção. Por causa da sua natureza anônima e da crença de que agora que temos o Google todos podem ser cientistas da informação, bibliotecários não são mais considerados vitais. Assistentes de biblioteca agora estão administrando bibliotecas. O bibliotecário como o conhecemos está ameaçado, assim como as bibliotecas das quais cuidaram e apreciaram no passado.

E a mesma coisa pode acontecer em breve com os preparadores

Por muitos de nós não vermos necessidade em sermos creditados, seja através de reconhecimento por parte do autor ou sendo notados por nosso trabalho no livro, o mundo está começando a esquecer por que existimos.

O mercado está saturado de livros. Quantos desses são autopublicados sem o auxílio de serviços editoriais? Nunca saberemos, porque preparadores raramente são mencionados. Quem tradicionalmente recebe os extensos agradecimentos do autor num livro publicado é o editor, que coordena o projeto. O preparador continua extremamente invisível.

Decidi pegar dez livros aleatórios da minha estante para ver se eu estava reclamando de barriga cheia. Fiz uma mistura de não ficção, biografia e ficção.

  • Dois não tinham nem créditos de nada.
  • Um exaltava um preparador por uma edição meticulosa e brilhante.
  • Outro, um enorme tomo de história, mencionava todos, exceto o preparador e o indexador, que devem ter dado sua saúde pelo projeto.
  • Noutro, o autor agradeceu ao revisor, mas não ao preparador.
  • Um livro de design agradeceu aos designers, mas não à equipe editorial.
  • Um agradeceu à equipe editorial como um todo, então tudo bem.
  • Os últimos três nem sequer mencionaram a equipe editorial.

Ou seja, um livro, entre dez, creditando o preparador; dois, se quisermos ser generosos.

Mas quanto disso é culpa do preparador por recusar ser creditado?…

…ou por não querer ligação alguma com o autor? Isso é mesmo motivo para se preocupar? Créditos editoriais são tão importantes assim?

Assim como silenciosamente desbancou os bibliotecários, a internet pode estar fazendo o mesmo com os preparadores de texto. Já vi algumas conversas em que autores autopublicados disseram que não precisam contratar serviços editoriais quando têm aplicativos como o Hemmingway, extensões como o Grammarly e ferramentas de revisão do Word para fazer esse trabalho por eles. Não me entenda mal, elas são muito úteis, mas você não pode obedecê-las de modo subserviente, e usá-las no lugar de um preparador humano capacitado é dar sorte para o azar.

Então voltemos para o anonimato, e nos façamos essas questões

O anonimato dos preparadores de texto se dá por:

  1. eles não precisarem mesmo ser creditados,
  2. eles não sentirem necessidade de serem creditados,
  3. eles raramente se perguntarem se querem ser creditados,
  4. eles não quererem ser creditados,
  5. os créditos e agradecimentos serem decisão exclusiva do autor?

Diante disso, os preparadores devem:

  1. reivindicar os créditos em seus contratos,
  2. levantar o assunto dos créditos a cada novo trabalho,
  3. pedir que sejam creditados,
  4. pedir que não sejam creditados,
  5. esperar que sejam creditados.

E como devemos prosseguir como uma categoria que realiza um trabalho se muitos de nós preferem ficar nos bastidores?

Espero que, com o passar do tempo, se sobrevivermos como uma profissão valorizada, devamos defender atitudes profissionais, nos tornar embaixadores de uma língua escrita concisa, de qualidade, de excelência sempre que possível.

Talvez precisemos sair das sombras e gritar aos sete ventos sobre nosso trabalho e seu valor antes que, ao exemplo dos bibliotecários, sejamos postos de lado e as pessoas se contentem com textos passáveis, com o “pra quem é está bom”.

Tradução:

Iuri Pavan

Phellipe Marcel


[1] Publicado em https://bookmachine.org/2017/07/31/anonymity-and-the-copy-editor-is-it-time-to-be-recognised. Agradecemos à autora por prontamente autorizar a tradução do relato.

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search