Diego Barbosa (Arquivo Nacional)

Possui graduação em Ciências Sociais, Bacharelado e Licenciatura, pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008); Mestrado em Letras, com área de concentração em Linguística pela mesma Universidade (2011) e Doutorado em Estudos de Linguagem pela Universidade Federal Fluminense (2016), além de especialização em Relações Internacionais Contemporâneas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2011). Na UERJ foi Membro Titular do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (2007-2008), tendo atuado nas Comissões de Graduação; de Pesquisa e Pós-Graduação; de Acompanhamento das Atividades Docentes e na Comissão Eleitoral para a Reitoria. Como servidor concursado do Arquivo Nacional, atuou na Equipe de Processamento Técnico de Documentos do Judiciário e Extrajudicial da Coordenação de Documentos Escritos (2006-2016) e também foi um dos responsáveis pela supervisão da indexação e do vocabulário controlado da Coordenação de Processamento e Preservação do Acervo, que inclui todo o acervo da instituição. Atuou ainda na Coordenação de Pesquisa e Difusão do Acervo (2016) e ocupou os cargos de Coordenador-Geral de Acesso e Difusão Documental do Arquivo Nacional (2016-2018), de Diretor-Geral do Arquivo Nacional, de Presidente do Conselho Nacional de Arquivos, de Presidente do Sistema de Gestão de Documentos de Arquivo da Administração Pública Federal em 2017. Além disso, foi membro titular do Colegiado de Arquivos do Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC). Tem experiência de pesquisas em Análise do Discurso, envolvendo outras áreas de forma transdisciplinar, como a Política Linguística, ou mesmo as Ciências Sociais, a Arquivologia, a História e as Relações Internacionais. Entre essas pesquisas, destacam-se seu mestrado, quando estudou – por meio da Análise do Discurso – as declarações da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) para a internacionalização da língua portuguesa e seu doutorado, quando analisou o discurso da diferença na política cultural brasileira, utilizando, sobretudo, como corpus o Plano Nacional de Cultura (Lei nº 12.343/2010). Publicou o livro “De Flor do Lácio a língua global” (2013).

Pesquisar OpenEdition Search

Você sera redirecionado para OpenEdition Search