Relato sobre a Exposição “Por um Arquivo de Língua: Memória e Esquecimento” no I ENCONTRO do GRUPO ARQUIVOS DE LÍNGUA (setembro de 2018)

Um varal de memórias no Bloco B do Instituto de Letras da UFF. Trechos de pesquisas acadêmicas, fotografias de obras literárias, fragmentos de língua, imagens de pessoas e modos de vida do século XIX formavam nossa exposição durante o I Encontro do Grupo Arquivos de Língua. Mais que um passeio pelo passado, a ideia era promover um pensamento sobre ele, uma leitura que se iniciava já no elevador do prédio, passando pelo hall do elevador, adentrando banheiros, serpenteando os corredores do andar até chegar ao auditório e, nele, dava-se de encontro com um minicurso sobre algum dos arquivos do grupo. O antes e o agora se encontravam e nos interpelavam. 

O agora também se concretizava em nossa mostra através de um quadro de desejos feito de post-its coloridos. Quem passava por ali e era tocado por aquele espaço – ressignificado pela exposição. Poderia escrever suas vontades e projeções de futuro. Nós queríamos gente presente, interagindo, falando, tocando nos materiais, sendo afetado por eles e, também, deixando suas impressões para serem lidas. Afinal, são pessoas que constroem o tempo.

Definitivamente sem gente a exposição ‘Por um Arquivo de Língua: Memória e Esquecimento” não aconteceria. Em uma das reuniões de nosso Grupo, com André Cavalcante, Vanise Medeiros, Rudá Perini, Ronaldo Freitas, Raphael Mendes, Ana Costa, Marlene Mendes e Michel Marques, surgia a vontade de ocupar diferentes lugares do prédio com os arquivos, possibilitando uma composição nada tímida. Lucília Abrahão e Dantielli Garcia nos ajudavam imensamente à distância, num diálogo que ultrapassava as paredes da UFF, e a ideia de uma exposição grande e forte ia nascendo. Os professores do evento, com muita generosidade, enviaram objetos de pesquisa e textos para compor nossa coleção. Phellipe cuidou da impressão e do tratamento de imagens com enorme carinho; os monitores e organizadores a ela deram vida, chegando na UFF às 06h da manhã para que, às 08h, os varais já estivessem no ar e tudo estivesse pronto e bonito. Varais do antes que nos levavam a pensar no agora!

Nossa exposição trazia a memória e a língua e, justamente por isso, evocava sujeito. Impossível não lembrar disso. E impossível não lembrar que a pesquisa, as produções, os eventos, a universidade precisam de gente – atuante, saudável e viva – para permanecerem. Estávamos, naquela semana, rememorando o século XIX e entendendo, pela ciência e pela arte, que o varal do tempo está sempre em construção e passível de (re)(des)coberto. Talvez o desejo de hoje no post-it seja de que não falte sujeito para olhar, também de dentro da universidade, o mundo, a língua e o tempo.

Deborah Pereira


Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.